domingo, julho 01, 2007

SEXUALIDADE NA IDADE ADULTA.



Já falei aqui, sobre as diferenças entre as pessoas.
Entre tantas outras, o que sabemos existir, é a diferença no gosto, vontade e disponibilidade para o sexo.
Mas a pergunta é:
O que faz as mudanças no comportamento de um casal?

Olga e Carlos estão casados há 42 anos.
Já passaram por situações diversas. Da luta pela sobrevivência, a quase fome, o desespero em algumas situações em pensar, para onde iriam, pois não tinham como pagar o aluguel, e sabiam seriam colocados prá fora da casa onde estavam morando.

Tiveram também bons e belos momentos, em que a situação financeira já bem melhor, mais acomodada, se permitiram algumas pequenas viagens, passeios, enfim, viveram intensamente.

O único e não tão pequeno detalhe era o sexo.
Por anos a fio, Olga, foi simplesmente a esposa, fazia sexo com o marido, e só com ele, apenas por obrigação. Sua mãe havia ensinado, que mulher tem que "servir" ao marido.

Viviam bem, com muito amor, mas Olga não via a hora, em que o marido sossegasse, "abaixasse o facho", uma expressão que ela gostava de usar. Mas Carlos, tinha muito fogo prá queimar, estava aparentemente longe desse sossego.

Pois bem, um dia chega a mudança.
Olga começa já por volta dos 45 anos, a gostar de sexo, a fazer amor com seu marido e a querer mais e mais.
Já num período tranquilo de suas vidas, não tinha hora marcada. Podia ser, entre uma atividade e outra, às 9 da manhã, ou às 4 da tarde, à meia noite, ou ainda acordando às 2 da manhã, qualquer hora era bem vindo.
Ela dizia que podia repetir uma boa transa, dez minutos depois da última, ou podia fazer de uma relação duradoura e prazerosa.

O que ocorre aí, é que Carlos, já com mais de cinquenta anos, tinha que fazer um grande esforço, para satisfazer Olga, eles foram mudando em sentidos opostos. Não que ele não quisesse mais sexo, mas não tinha mais a força que ela demonstrava.
Costumava dizer a ela: Me dê um tempo, não sou mais o garoto que você conheceu.
Carlos se esforçava muito para não deixar Olga sentir falta, amava sua mulher, ainda a desejava, as vezes até se surpreendia, ao olhá-la, e ve-la tão linda em sua maturidade, olhar sua curvas, e como ele dizia: estou tendo um mal pensamento. E realmente, a satisfazia, mas como ele dizia, com grande esforço, pois a mulher mudara, e muito.

Nenhum dos dois sabia onde tinha acontecido aquela mudança, em que momento exato, se é que existe este exato momento. Mas a mudança houve.
Na verdade os dois estavam felizes com essa mudança, mas a dúvida permanecia, o que faz essa mudanças? Seria apenas física? Seria psicológica?

Atentem bem para o fato: Olga mudou, ou Carlos teria mudado? Porque toda essa mudança ocorrera alí mesmo dentro de seu casamento, ela não conhecera outro homem.
O mesmo homem que durante anos não mexia com sua sexualidade, de repente, a satisfazia, e ela o queria mais e sempre.

Para não estender muito, volto num próximo post a falar de outro exemplo, também envolvendo a sexualidade, mas de outro ângulo.

Bom, agora preciso falar das votações que tive.
Delicadamente, mais uma vez fui agraciada por amigos queridos com a votação das 7 maravilhas.
Obrigada queridos Mário, Cris, Marília e Yvone.

Tenho que indicar sete maravilhas. Vai lá:
Meg
Lord
Meire
Elena
Patty
Márcia Clarinha
DO

6 comentários:

Yvonne disse...

Querida, você mais do que merece ganhar prêmios. Fiquei muito feliz ao ver que mais pessoas indicaram você. Beijocas e um lindo domingo.

Kith disse...

O que aconteceu com Olga é absolutamente comum.
A mulher quando chega na maturidade, não tem mais a pressão da gravidez, criação dos filhos, etc. É o tempo que ela é mais ela. Então sua sexualidade até então reprimida aflora.
Espero que Carlos tenha fôlego pra acompanhá-la.
Beijos

Simone disse...

Ana, que maravilhoso voce abordar assuntos como esse. Muitas mulheres gostariam de entender mais o que acontece com elas,saber que não estao sozinhas nessa situação, e não encontrar com quem conversar. Continue escrevendo.
Vou linkar essa sua pagina e enviar por e-mail, para uma amiga, talvez ela não venha sempre. Mas acho que vai gostar do tema.

Um beijo!

Si

Sibila disse...

Noooossa Aninha, volto aqui é o tema é .... SEXUALIDADE! Nada mais vital, importante mesmo, como dizia o mestre austríaco! É inquietante essa da mulher intensificar (ou descobrir) sua sexualidace aos 45 - mas ainda bem que ocorreu, e tem muito tempo pela frente!
Eu descobri seu blog, meio atrasilda, mas descobri. Fiquei fora por um tempo e agora volto, aos poucos, mas voltando...
Beijão, querida!

tati sabino disse...

Oi, estava no blog da Marília, e resolvi passar para conhecer teu espaço, o texto fala tudo, sou nova ainda, tenho apenas 26 anos, e estou casada a quase 3 anos, então não tenho muito o q falar...rs, mas aconteceram muitas mudanças no meu relacionamento, primeiro era aquele fogo, rs..depois nasceu meu filho e passei um longo tempo sem apetite sexual(até hj não sei, mas parece q foi culpa dos hormonios, rs meu marido estava todo cheio de vontades eu lá querendo dormir..rs mas com o tempo foi melhorando, melhorando e hj por incrível q pareça, eu sempre quero "mais" q ele...acho q as mudanças independem da idade...acho q no fundo todos nós em todas as fases da vida passamos por mudanças..e q bom, né?!...rs
Adorei teu espaço!
Até mais..

Dri disse...

Olá querida,
vim lhe fazer uma visita, gostei do post sobre sexualidade interessantíssimo.

e k entre nós, que assunto gostoso hem? rsrs

que vc tenha um belo restinho de semana

tudo de bom pra vc

O beijo fica com Jesus